Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Plano de contingência – Por Luís Henrique Alencar

*Coluna por Luís Henrique Alencar, 19/05/2022

Vivemos, nos últimos 2 anos, um período crítico, que foi o impacto da COVID-19 nas vidas sociais e funcionais, onde muitas pessoas tiveram a saúde impactada e, por consequência, as empresas sofreram fortes quedas em seus faturamentos e recebimentos. Uma das pautas que mais circulou nas rodas de empreendedores foi: “perdemos a previsibilidade do negócio”. O curto prazo, antes considerado 12 meses, hoje é considerado longo. E como planejar? É orçar?

O desejo pelo “domínio” da previsibilidade é latente em todos os empresários e gestores, principalmente com o reaquecimento do mercado. Planejar os próximos 12 meses é uma atividade interessante, mas ainda sem muita eficácia. Pensar o negócio em pequenos passos tem se apresentado um grande aliado da longevidade financeira das empresas pós pandemia.

conteúdo patrocinado

Não é novidade para ninguém que prejuízo não é o que quebra empresa, mas sim a falta de caixa. Então, nada mais coerente do que montar um plano de contingência financeiro visando a sobrevivência e perpetuação do negócio no mercado. Esse plano nasce da análise do fluxo de caixa projetado (comprometido e a comprometer), bem como da análise do consumo dos gastos, ou seja, o que está consumindo o lucro do negócio.

Partindo dessas duas análises é necessário definir quais são os gastos estratégicos, aqueles que ajudam a aumentar os lucros, reduzindo outros gastos ou aumentando as receitas, e os gastos não estratégicos, que, por exclusão, diminuem os lucros. Defina limites, tetos, para todos os gastos, montando um plano de ação e de alçadas. Não permita que exceções constantes frustrem o plano de contingência.

Torne público para seus colaboradores o plano, deixe-os cientes de tudo que pode e do que não pode ser feito. Bob Fifer em seu livro “Dobre seus lucros” cita que gasto é igual a unha, cresce naturalmente, mas precisa de alguém para cortá-lo com frequência. Assim, eleja o guardião do plano de contingência, aquela pessoa que autorizada todos os pagamentos. Mesmo o pagamento dos gastos programados devem ser vistado pelo guardião.

Monte um comitê com as pessoas chaves de cada área da empresa. A finalidade desse comitê é revisar o plano periodicamente e, no mínimo, uma vez por mês. Isso garante que ajuste serão feitos tempestivamente, para mais ou para menos. Não esqueçamos que a finalidade do plano de contingência é a permanência da empresa no mercado pelo maior tempo possível.

Foi formado um ciclo: análise de números financeiros, revisão de gastos, elaboração de uma ferramenta de controle, controle do plano e revisão. Esse ciclo, se enraizado na cultura da empresa, a transporta do nível de plano de contingência para o nível de plano de expansão. O comitê deixa de ter o nome de contingência e passa a ter o nome de expansão. A dinâmica no negócio flui com mais facilidade, os gastos “bobos” são inibidos, e a lucratividade, tende fortemente, a aumentar.

Agora, será que a taxa de mortalidade das empresas seria de 62,4%, mesmo antes da pandemia, se o ciclo citado acima fosse implementado na cultura? Sem dúvida, se houver gestão, esse número tão impactante seria irrelevante.

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do ENB

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado