Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Banco Central apresenta prejuízo inédito de R$ 298,5 bilhões em 2022

Banco Central do Brasil: Boletim focus divulgado
(Foto: Agência Brasil)

Nesta quinta-feira (16), o Banco Central divulgou que teve um resultado negativo de R$ 298,5 bilhões em seu balanço referente ao ano de 2022, sendo este o primeiro prejuízo desde o segundo semestre de 2020, quando teve perdas de R$ 33,6 bilhões. Naquela época, o balanço do BC era apurado semestralmente, mas com a lei complementar 179/2021, passou a ser anual.

Ao contrário da ocasião anterior, não foi possível cobrir o rombo com a reserva de resultado do Banco, sendo necessário um aporte do Tesouro no valor de R$ 36,6 bilhões. Para complementar, também serão utilizados R$ 179,1 bilhões da reserva de resultado e R$ 82,8 bilhões do patrimônio institucional do BC.

Segundo o próprio Banco Central, o resultado negativo registrado em 2022 foi causado pelo prejuízo de R$ 326,5 bilhões com as operações envolvendo reservas e derivativos cambiais no ano anterior. Entretanto, as demais operações realizadas pela autoridade monetária tiveram um superávit de R$ 28,0 bilhões no mesmo período.

conteúdo patrocinado

Quando o balanço do BC é positivo, uma parte é transferida ao Tesouro Nacional, sendo utilizada para o pagamento de juros e abatimento da dívida. Por outro lado, o lucro obtido com reservas e operações cambiais é destinado à reserva de resultados do patrimônio líquido do BC.

Em casos de resultados negativos, o prejuízo é coberto pela reserva de resultado e pela redução do patrimônio líquido do BC, que é limitado a 1,5% do ativo total do banco. Somente se essas medidas não forem suficientes para cobrir o prejuízo, o Tesouro emite títulos públicos para a autoridade monetária.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou o resultado do BC nesta quinta-feira (16), durante sua primeira reunião no governo Lula, em meio a tensões entre o poder Executivo e o Banco Central. Havia a expectativa de que o Conselho pudesse discutir uma possível mudança na meta de inflação para 2023, mas o ministro Haddad negou a possibilidade, afirmando que o assunto não estava na pauta da reunião.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado