Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Inflação do Atacado Registra Queda Recorde, Aliviando Economia Brasileira

(Foto: Reprodução Internet)

O Brasil respira aliviado conforme a inflação do atacado, que monitora o custo de matérias-primas e produtos do setor agrícola e industrial, apresenta uma queda de mais de 7% – atingindo seus menores níveis desde o início do Plano Real em 1994.

Essa queda notável, segundo uma extensa gama de economistas, indica que os preços ao consumidor devem começar a refletir parcialmente essas reduções em breve. Este cenário traz um alívio para a inflação geral do país e cria mais oportunidades para o Banco Central (BC) começar a flexibilizar sua política atual de juros altos.

“A deflação acumulada em 12 meses no atacado é brutal e, olhando para isso, não sei se alguém ainda pode ter alguma dúvida de que é necessário reduzir os juros”, argumenta Fábio Silveira, sócio-diretor da consultoria MacroSector e especialista no setor agropecuário.

Publicidade

Os preços no atacado atuam como uma força gravitacional sobre os preços ao consumidor, ditando o comportamento futuro dos preços no varejo. Portanto, se os preços no atacado estão caindo, é razoável esperar que os preços no varejo também acabem caindo em algum momento.

A inflação do atacado no Brasil é medida pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), da Fundação Getulio Vargas (FGV). Nos últimos 12 meses até maio, o IPA caiu 7,6%, uma magnitude de queda que nunca havia sido registrada desde pelo menos 1995.

As safras recordes de grãos, como a soja, aliadas a um dólar mais baixo e a queda nos preços de diversas commodities nos mercados internacionais, são algumas das principais razões para a queda rápida dos insumos no Brasil.

Em maio, o minério de ferro, principal matéria-prima para construção civil, automóveis e eletrodomésticos, caiu 13,2%, segundo o IPA da FGV. Além disso, a soja e o milho caíram 9,4% e 15,7% no mesmo mês, respectivamente. Essas quedas contribuem também para a redução no preço das carnes.

Os efeitos desta deflação já começam a ser sentidos no varejo: em maio, a inflação da alimentação no domicílio, ou seja, dos alimentos nos supermercados, foi zero, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A queda na inflação do atacado poderá, em breve, representar alívio no bolso dos consumidores, tornando os produtos e serviços mais acessíveis e aumentando o poder de compra dos brasileiros.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado