Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Micro e pequenas empresas impactam taxa de desemprego

Foto: Agência Brasilia

As micro e pequenas empresas (MPEs) continuam a desempenhar um papel fundamental na criação de empregos com carteira assinada no Brasil, com 79,8% das vagas abertas no país em julho sendo geradas por esses pequenos negócios. Isso equivale a um total de 113,8 mil postos de trabalho de um total de 142,7 mil, revela um levantamento realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Esses números representam uma média de 3.670 vagas formais criadas todos os dias em julho pelas MPEs, mostrando o impacto importante desses empreendimentos na economia do país.

A liderança das MPEs na geração de empregos é ainda mais evidente quando comparada às médias e grandes empresas (MGEs). Enquanto as MPEs contribuíram com 79,8% das novas vagas, as MGEs foram responsáveis por apenas 13,5% (19.229 empregos) do total.

conteúdo patrocinado

Os dados do Sebrae se baseiam nas informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. Essa tendência positiva nas contratações pelas MPEs é notável, com julho marcando o sétimo mês consecutivo de resultados positivos.

Setores em Destaque

Os setores de serviços, construção e comércio lideraram a abertura de empregos nas MPEs em julho, contribuindo com 46,7 mil, 26,1 mil e 25 mil vagas, respectivamente. As atividades que mais se destacaram incluem a construção de edifícios, restaurantes e estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas, e o transporte rodoviário de carga.

Enquanto isso, nas MGEs, a indústria de transformação, serviços e agropecuária concentraram a abertura de vagas com carteira assinada.

No acumulado de 2023, as MPEs continuam liderando a geração de empregos formais, contribuindo com 70,8% do total de 1,1 milhão de empregos criados no Brasil. Esse número representa 825,4 mil empregos gerados pelas micro e pequenas empresas, em comparação com os 16,4% atribuídos às médias e grandes empresas. A tendência destaca o papel crucial das MPEs na recuperação econômica e na criação de empregos no país.

Desemprego

A queda na taxa média de desemprego no Brasil permaneceu no trimestre encerrado em julho, diminuindo para 7,9%, conforme os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo IBGE. Esse valor é 0,6 ponto percentual menor em comparação ao trimestre de fevereiro a abril, e 1,2 ponto percentual abaixo do mesmo período em 2022.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado