Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Imóveis de um cômodo tem preço mais elevado do Brasil

O Mercado Imobiliário no Brasil teve um desempenho positivo no primeiro trimestre de 2024.
(Foto: Marcus Lenk/Pexels)

O mercado imobiliário brasileiro viu os preços de imóveis com um cômodo subirem mais em agosto do que aqueles com dois, de acordo com o Índice FipeZAP+. Esta análise mensal abrange 50 cidades e se baseia em anúncios online, em colaboração com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e a plataforma ZAP+.

Os números do mercado imobiliário revelam um aumento de 0,44% no preço dos imóveis no país em agosto em comparação a julho. Os imóveis de um quarto lideraram o aumento, com 0,54%, enquanto as unidades de dois dormitórios tiveram um crescimento menor, de 0,35%.

Na mesma comparação, os imóveis com três dormitórios subiram em média 0,43%, e as unidades com quatro ou mais dormitórios aumentaram 0,47%.

Publicidade

O índice indica uma tendência de alta nos valores dos imóveis desde o final de 2019, embora tenha havido uma desaceleração em relação ao pico alcançado no segundo semestre de 2021.

Nos últimos 12 meses, o Índice FipeZAP+ acumula uma alta nominal de 5,44% até agosto de 2023, superando variações acumuladas pelo IGP-M/FGV (-7,20%) e pelo IPCA-15/IBGE (+4,66%) no mesmo período.

Nesse período, a valorização foi ainda mais acentuada para imóveis residenciais com apenas um dormitório (+6,92%), contrastando com a alta menos expressiva entre unidades com quatro ou mais dormitórios (+4,07%).

O metro quadrado dos imóveis de um quarto tem o preço médio mais elevado do Brasil, atingindo R$ 10.125, acima da média nacional ponderada de R$ 8.584, e dos valores médios de unidades com dois, três e quatro ou mais dormitórios, que são R$ 7.721, R$ 8.301 e R$ 9.876, respectivamente.

Quarenta e nove das 50 cidades monitoradas registraram aumento nos preços, incluindo todas as 16 capitais citadas. Maceió (+17,58%), Goiânia (+15,45%), Campo Grande (+15,35%) e Florianópolis (+12,80%) lideraram as altas.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado