Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Setores de serviços crescem 0,5% em julho, aponta IBGE

(Foto: Tima MiroshnichenkoPexels)

O crescimento dos serviços no Brasil em julho, de acordo com o mais recente levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi de 0,5%. Esta é a terceira alta consecutiva, totalizando um aumento de 2,2% nos últimos três meses. A expansão dos serviços sinaliza uma recuperação positiva, impulsionada principalmente pelos setores de transporte e serviços prestados às famílias.

Desenvolvimento: Além do crescimento mensal, o setor de serviços também viu ganhos significativos em outras frentes. Na comparação com julho do ano passado, a alta foi de 3,5%. O acumulado do ano registra um aumento de 4,5%, enquanto o acumulado de 12 meses mostra um crescimento robusto de 6%. O setor agora está 12,8% acima do nível pré-pandemia, apesar de ainda estar 0,9% abaixo do recorde atingido em dezembro do ano passado.

A receita nominal seguiu a tendência positiva, com um crescimento de 0,2% em comparação com junho, e 4,6% em relação a julho do ano passado. No acumulado do ano e dos últimos 12 meses, as taxas foram de 8,5% e 11%, respectivamente.

Publicidade

Detalhamento: Rodrigo Lobo, pesquisador do IBGE, destacou que o setor de transporte, principalmente o rodoviário de cargas, tem sido um dos principais impulsionadores do crescimento no período pós-pandemia, beneficiando-se do aumento do comércio eletrônico e da demanda do setor agrícola. Três das cinco atividades investigadas apresentaram alta, com destaque para transportes (0,6%), serviços prestados às famílias (1%) e outros serviços (0,3%).

No entanto, nem todos os setores apresentaram crescimento. Os serviços profissionais, administrativos e complementares viram uma queda de 1,1%, e o setor de informação e comunicação teve uma diminuição de 0,2%.

Outros Setores: Paralelamente, o segmento de atividades turísticas também experimentou um crescimento, aumentando 0,7% de junho para julho. Atualmente, está 6,2% acima do nível de fevereiro de 2020, embora ainda 1,4% abaixo do pico atingido em fevereiro de 2014.

Vendas no Varejo: Em contraste, o setor varejista apresentou uma queda de 1,9% em agosto, comparado ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Cielo. Ainda assim, o índice ICVA mostrou um aumento nominal de 0,9% nas vendas de agosto.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado