Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Lula inicia agenda na Assembleia Geral da ONU em Nova York

(Imagem:Pixabay)

No domingo (17), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarca em Nova York para marcar presença na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e seguir uma agenda repleta de compromissos, com mais de 50 solicitações de reuniões bilaterais, incluindo um possível encontro com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

A confirmação desse possível encontro com Zelensky, que teve um desentendimento com Lula durante a cúpula do G7 no Japão em maio, ainda está pendente, pois é necessário ajustar as agendas de ambos os líderes, que têm compromissos variados durante a semana da Assembleia Geral. Durante a cúpula do G7, Zelensky havia solicitado uma reunião com Lula durante a reunião de cúpula em Hiroshima. O governo brasileiro propôs alguns horários, com a expectativa de que Lula ajustaria sua agenda para acomodar o líder ucraniano. Entretanto, na hora marcada, Zelensky não compareceu, de acordo com fontes da diplomacia brasileira. Posteriormente, o presidente ucraniano alegou uma “incompatibilidade de agendas”.

A Ucrânia fez um novo pedido para uma reunião bilateral entre os dois presidentes, desta vez em Nova York, mas até o momento, nenhuma reunião foi oficialmente confirmada.

Publicidade

Até o momento, a única reunião bilateral confirmada para Lula é com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, agendada para quarta-feira. Após esse encontro, os dois líderes anunciarão uma iniciativa conjunta relacionada à melhoria das condições de trabalho e à geração de empregos.

Lula chegará a Nova York após uma parada em Cuba, onde participa do encontro do grupo G77 + China. No domingo à noite, ele participará de um jantar organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

Na terça-feira (19), pela manhã, Lula fará o tradicional discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, uma posição que o Brasil ocupa por tradição desde a fundação das Nações Unidas. Esta será a oitava vez que Lula discursa na abertura da Assembleia; nos seus mandatos anteriores, ele só não o fez em 2010, durante a campanha para eleger sua sucessora, Dilma Rousseff.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado