Lúcia Maggi: terceira mulher mais rica do Brasil na mira da Justiça

Lúcia Maggi
Lucia Maggi fundou o grupo Amaggi junto com o marido, André Antônio Maggi — Foto: Divulgação/Amaggi

A Justiça do Mato Grosso teve dificuldades na busca por Lúcia Borges Maggi, uma das herdeiras da família Maggi e da empresa Amaggi. Atualmente, Lúcia é a terceira mulher mais rica do Brasil. Uma ação movida por Carina Maggi Martins, filha de André Maggi, pretende resolver questões relacionadas à partilha de bens do patriarca. Contudo, desde o dia 11 de janeiro, não conseguem intimar a herdeira com sucesso, segundo reportagem do site Metrópoles.

Sendo assim, um oficial de Justiça iniciou uma busca minuciosa por Lúcia, visitando diversos endereços ligados à empresária e tentando contato por meio de seis números de telefone diferentes, sem sucesso. Após identificar “indícios de ocultação”, o oficial de Justiça oficializou a intimação em 24 de janeiro. Outro oficial enfrentou desafios semelhantes para intimar Pedro Jacyr Bongiolo, ex-presidente do Conselho de Administração da Amaggi, percorrendo mais de 500 quilômetros para entregar o mandado.

A ação movida por Carina Maggi Martins questiona a partilha dos bens de André Maggi, que, antes de falecer, transferiu parte do patrimônio para Lúcia. Carina argumenta que o processo a prejudicou e contratou uma perícia que identificou divergências nas assinaturas de André em documentos anteriores a morte. Os oficiais de Justiça adiaram a audiência entre as partes, inicialmente marcada para 8 de fevereiro, devido às dificuldades enfrentadas para localizar os envolvidos.

Histórico

O sobrenome Maggi ganhou destaque no agronegócio brasileiro com a criação do Grupo Amaggi em 1977, em São Miguel do Iguaçu, no Paraná, inicialmente conhecido como Sementes Maggi. Lúcia e o marido, André, foram os fundadores da empresa que se tornaria uma das principais exportadoras de soja do mundo.

Dois anos mais tarde, a empresa expandiu as operações para o Mato Grosso, estado emblemático na produção de soja. Após a morte de André, em 2001, Lúcia, viúva e mãe de cinco filhos, assumiu como principal acionista da empresa. O grupo diversificou as atividades, passando do cultivo para o processamento de grãos, comercialização de insumos agrícolas, geração de energia elétrica e logística.

Em janeiro de 2022, a Amaggi ocupava a 13ª posição na lista das 100 maiores empresas do agronegócio no Brasil, conforme a Forbes, com uma receita de R$ 23,51 bilhões. Lúcia atualmente desempenha um papel consultivo no Conselho de Administração da empresa.

Portanto, em 2023, a empresária Lúcia Borges Maggi, constava na lista das oito bilionárias brasileiras da revista “Forbes”, com uma fortuna estimada em mais de 33 bilhões de reais.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado