Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Lista suja do trabalho escravo tem 248 empregadores, um recorde

Lista suja do trabalho escravo tem 248 empregadores, um recorde
(Foto: Divulgação/MTE).

A inclusão de 248 empregadores à lista suja do trabalho escravo pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) marca um novo recorde para o Brasil em 2024. Este aumento eleva o total de nomes no cadastro para 654, evidenciando um esforço contínuo no combate às condições laborais degradantes. Com a inclusão de mais empregadores acusados de submeter trabalhadores a condições degradantes, a lista destaca a urgência de enfrentar essas violações.

A atualização mais recente superou o número anterior de 204 novos empregadores adicionados em outubro de 2023. Atualmente, a lista compreende um total de 5.205 trabalhadores que foram encontrados em condições análogas à escravidão, com destaque para os 2.025 casos identificados apenas na última atualização. Este número inclui 210 trabalhadores resgatados de vinícolas na Serra Gaúcha, ressaltando a gravidade e abrangência do problema.

Todos os 654 nomes dos empregadores e as respectivas localidades estão disponíveis no site do governo federal neste link.

Trabalho doméstico lidera os casos

O trabalho doméstico emerge como o setor mais afetado, contabilizando 75 casos na lista, dos quais 42 foram incluídos recentemente. A fragmentação do agronegócio em diversas Classificações Nacionais de Atividades Econômicas (CNAEs) coloca este setor em várias categorias subsequentes, com a criação de bovinos para corte, produção de carvão vegetal e cultivo de café também registrando números elevados de empregadores infratores.

conteúdo patrocinado

Distribuição geográfica dos empregadores

Minas Gerais, São Paulo e Bahia destacam-se como os estados com o maior número de empregadores sancionados, refletindo não apenas a distribuição dos casos mas também a magnitude do desafio enfrentado pelas autoridades. Especificamente, Minas Gerais lidera com 151 casos, seguido por São Paulo com 78 e Bahia com 59.

A lista suja, uma iniciativa em vigor desde 2003, é atualizada semestralmente e serve como um mecanismo de transparência nas ações de combate ao trabalho análogo à escravidão. A inclusão de empregadores no cadastro ocorre após um processo administrativo detalhado, assegurando o direito à defesa. Uma vez listados, permanecem publicados por um período de dois anos.

O Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, mencionou a possibilidade de dividir a lista em duas, para distinguir entre violações menos graves e aquelas consideradas de natureza mais exploratória.

Alguns casos

A lista suja do trabalho escravo atualizada revelou casos alarmantes, demonstrando a gravidade das violações dos direitos trabalhistas no país. Dois casos, em particular, ilustram a complexidade dessas situações abusivas.

O caso de André Luiz Mattos Maia Neumann e Yonne Mattos Maia

André Luiz Mattos Maia Neumann e sua mãe, Yonne Mattos Maia, foram acusados de manter uma empregada doméstica, Maria de Moura, em condições análogas à escravidão por de 72 anos, no Rio de Janeiro. Maria foi resgatada em março de 2022, aos 85 anos, trazendo à luz a longa duração de seu sofrimento. As acusações apontam para um cenário onde Maria não apenas era privada de salário, mas também tinha suas visitas à família rigorosamente controladas, e seu acesso a comunicações, como o uso de celular, restrito pelo empregador. André enfrenta acusações específicas de coação e apropriação indevida do cartão magnético de Maria, agravando a situação pelo abuso de vulnerabilidade da vítima, especialmente considerando sua idade avançada. A defesa dos acusados argumenta que Maria era vista como parte da família, um argumento frequentemente utilizado em casos de trabalho doméstico escravo para mascarar a exploração.

O caso da Fênix Serviços Administrativos

Em outra instância de exploração laboral, a Fênix Serviços Administrativos, com sede em Bento Gonçalves (RS), destacou-se pela quantidade de pessoas vítimas de trabalho escravo. Em fevereiro do ano anterior à atualização da lista, 210 trabalhadores foram resgatados de um alojamento onde viviam em condições degradantes e eram submetidos a trabalho análogo à escravidão. A empresa, que fornecia mão de obra para vinícolas renomadas na região, como Aurora, Cooperativa Garibaldi e Salton, expôs os trabalhadores a uma realidade de privações e desrespeito a direitos básicos. As condições identificadas abrangiam desde alojamentos inadequados até a falta de garantias trabalhistas, evidenciando a negligência com a dignidade e bem-estar dos empregados.

Como denunciar

O Sistema Ipê, introduzido em maio de 2020 pela Secretaria de Inspeção do Trabalho em colaboração com a Organização Internacional do Trabalho, permite que sejam realizadas denúncias sigilosas e à distância sobre casos de trabalho escravo.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado