Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Portugal deve “pagar custos” por crimes coloniais, diz presidente

Portugal deve "pagar custos" por crimes coloniais, diz presidente
Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (Foto: Reprodução/Wikipédia).

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que o país foi responsável por diversos crimes durante a era da escravidão transatlântica e o período colonial. Ele falou sobre a necessidade de reparações em um evento recente com correspondentes estrangeiros.

Por mais de quatro séculos, aproximadamente 12,5 milhões de africanos foram sequestrados e vendidos como escravos, principalmente no Brasil e no Caribe. Portugal foi responsável pelo tráfico de quase 6 milhões desses indivíduos, mais do que qualquer outra nação europeia. No entanto, a história do envolvimento português na escravidão transatlântica raramente é abordada nas escolas do país.

Durante a era colonial, que é frequentemente considerada um período de orgulho em Portugal, nações como Angola, Moçambique, Brasil, Cabo Verde e Timor Leste estiveram sob o domínio português. Marcelo Rebelo de Sousa enfatizou que a nação “assume total responsabilidade” pelos erros cometidos e mencionou que crimes, incluindo massacres coloniais, precisam ser contabilizados.

conteúdo patrocinado

“Temos que pagar os custos”, disse o presidente. Ele questionou sobre ações não punidas e bens saqueados que não foram devolvidos, sugerindo a necessidade de explorar formas de reparação.

A discussão sobre reparações pela escravidão transatlântica ganha força globalmente, com debates sobre a criação de um tribunal especial para tratar da questão. Ativistas defendem que políticas públicas para enfrentar desigualdades e racismo sistêmico resultantes do passado colonial são fundamentais.

No ano passado, Rebelo de Sousa mencionou que Portugal deveria pedir desculpas pela escravidão e pelo colonialismo, mas evitou fazer um pedido formal de desculpas. Ele ressaltou que reconhecer os erros e assumir a responsabilidade é mais importante do que simplesmente pedir desculpas. “Pedir desculpas é a parte mais fácil”, afirmou.

Embora detalhes específicos sobre como as reparações serão realizadas ainda não tenham sido divulgados, esta é a primeira vez que um presidente de Portugal reconhece formalmente a responsabilidade do país pelos crimes cometidos durante sua história colonial.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado