Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Itália: Veneza inicia cobrança de taxa para turistas

Veneza - Itália
(Imagem: Pixabay)

Veneza, renomada pelos canais pitorescos e icônicos passeios de gôndola, está enfrentando o desafio do turismo em massa com uma nova abordagem: a implementação de uma taxa de acesso de 5 euros para os visitantes que desejam explorar o centro histórico da cidade entre as 08h30 e as 16h30.

A medida, que entrou em vigor recentemente, exige que os visitantes paguem a taxa de acesso, podendo fazê-lo online ou em cabines designadas. Ao invés de catracas nas entradas da cidade, fiscais farão verificações aleatórias para garantir a conformidade com as regulamentações. Aqueles que forem flagrados sem o pagamento correto enfrentarão multas que variam entre 50 e 300 euros.

Para simplificar o processo, os turistas receberão um código QR nos dispositivos móveis como prova de pagamento da taxa, devendo mantê-lo consigo durante a visita.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
Exceções

Algumas exceções à taxa incluem pessoas com reservas em hotéis, visitantes com menos de 14 anos – embora ambos os grupos ainda devam se registrar antecipadamente – e residentes, estudantes e trabalhadores locais, que estão isentos do pagamento.

Veneza, reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO, tornou-se a primeira grande cidade a adotar tal medida, com o objetivo de controlar o fluxo excessivo de turistas. Simone Venturini, responsável pelo turismo na cidade, destacou que desde a década de 1960, Veneza tem enfrentado o desafio do turismo em massa, resultando em um aumento no número de visitantes.

Durante a alta temporada, a cidade pode receber até 40 mil pessoas por dia, exercendo uma pressão considerável sobre a frágil lagoa de Veneza e afastando os moradores locais da ilha principal. Em 2023, Veneza registrou a visita de 20 milhões de turistas, de acordo com a Reuters.

Apesar disso, a implementação da taxa não recebeu unanimidade. Alguns moradores protestaram contra a medida, argumentando que ela pode não alcançar os efeitos desejados e que viola o direito fundamental de ir e vir.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado