Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Engie Brasil surpreende com lucro de R$ 1,6 bilhões em 1T24

Lucro da Engie Brasil no 1T24. (Foto: Divulgação/Engie Brasil)
Lucro da Engie Brasil no 1T24. (Foto: Divulgação/Engie Brasil)

Engie Brasil (EGIE3) reportou um lucro líquido surpreendente de R$ 1,6 bilhão no primeiro trimestre de 2024, representando um aumento de 90,9% em relação ao período anterior. Esse resultado excepcional superou as expectativas de analistas que projetavam um lucro de R$ 1,1 bilhão.

Entenda os fatores do lucro da Engie Brasil no 1T24

O aumento no lucro foi impulsionado por diversos fatores, destacando-se a alienação de participação societária em uma controlada em conjunto, que gerou um retorno de R$ 891 milhões. Apesar de uma queda de R$ 249 milhões no Ebitda ajustado e um aumento de R$ 17 milhões em impostos, o resultado financeiro líquido positivo de R$ 195 milhões também contribuiu significativamente para os números finais.

Impacto dos desinvestimentos

A Engie também enfrentou desafios, incluindo a venda da Usina Termelétrica Pampa Sul em maio de 2023 e a alienação parcial de sua participação na Transportadora Associada de Gás (TAG) em janeiro de 2024. Esses movimentos resultaram em um lucro líquido ajustado de R$ 793 milhões, uma queda de 10,1% em relação ao ano anterior.

conteúdo patrocinado

Leia também:

Banco Pine (PINE4) divulga alta expressiva no lucro de 106% no 1T24

Performance operacional e receita

A receita operacional líquida da empresa no trimestre foi de R$ 2,6 bilhões, marcando uma redução de 10,4% comparada ao mesmo período do ano passado. O Ebitda ajustado foi de R$ 1,81 bilhão, ainda acima das projeções de R$ 1,71 bilhão da Bloomberg, apesar de uma queda de 12% em relação ao ano anterior.

Estratégia de expansão e investimentos

Olhando para o futuro, a Engie está focada na expansão de sua capacidade de geração renovável. O Parque Eólico de Santo Agostinho, no Rio Grande do Norte, está quase totalmente operacional, enquanto o complexo eólico Serra do Assuruá, na Bahia, avançou 44,6% em suas obras.

A empresa planeja desembolsar ainda R$ 7,2 bilhões em novos projetos (greenfield) e R$ 3,2 bilhões na aquisição de cinco parques solares da Atlas em 2024. Além disso, a Engie confirmou participação no leilão de reserva de capacidade e no leilão de transmissão previstos para acontecer ainda este ano.

Visão do executivo e crítica ao modelo de subsídios

Apesar do lucro da Engie Brasil no 1T24, Eduardo Sattamini, CEO da empresa, critica o atual modelo de subsídios para energias renováveis, argumentando que este cria distorções no sistema de geração distribuída e propõe mudanças para garantir uma competição mais justa entre as tecnologias no mercado energético. “A geração distribuída gera um problema grande porque o pobre paga pelo rico”, problematiza Sattamini. “Um governo que se diz ‘socialista’ e não age contra isso é um absurdo”.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado