Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Rio inicia restauração da Estação Leopoldina; custo chega a R$ 80 milhões

Revitalização da Estação Leopoldina. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Revitalização da Estação Leopoldina. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

RIO DE JANEIRO — Um marco importante foi atingido nesta sexta-feira (10), com a assinatura da cessão da antiga Estação Ferroviária Barão de Mauá pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, e a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck. A partir de agora, o município tem luz verde para iniciar a restauração do prédio histórico e a construção de novos empreendimentos na Estação Leopoldina, onde a Estação está localizada.

O futuro do terreno da Estação Leopoldina

A área de aproximadamente 125 mil metros quadrados da Estação Leopoldina, localizada na Avenida Francisco Bicalho, será transformada em um novo polo urbano. A proposta inclui a construção de 700 unidades habitacionais, equipamentos públicos de saúde e educação, além de um centro de convenções e a Fábrica do Samba, que contará com 14 galpões dedicados às escolas da Série Ouro do carnaval carioca.

Detalhes do projeto de restauração

Inaugurado em 1926, o edifício da Estação Barão de Mauá é um marco da arquitetura palladiana inglesa, projetado pelo arquiteto Robert Prentice. Tombado pelo estado e pela União, o prédio não sofrerá alterações estruturais em sua fachada ou plataformas durante a restauração, que tem um custo estimado de R$ 80,9 milhões.

conteúdo patrocinado

Leia também:

Confira os salários dos prefeitos das capitais brasileiras

Infraestrutura complementar e avanço urbano

Além dos empreendimentos residenciais, o projeto prevê a implementação de uma Clínica da Família, um Ginásio Educacional Tecnológico, áreas de lazer como ciclovia e quadra esportiva, e espaços verdes. A área também receberá o Centro de Convenções, ampliando a infraestrutura para eventos na cidade.

Impacto cultural e social da Fábrica do Samba

O novo complexo da Fábrica do Samba Série Ouro, com um investimento de cerca de R$ 194 milhões, incluirá galpões para a confecção de alegorias e espaços para eventos, além de instalações administrativas e de apoio para os trabalhadores do carnaval. Este projeto visa fortalecer a cultura do carnaval carioca e proporcionar melhores condições para as escolas de samba.

O compromisso compartilhado de revitalização

Durante a cerimônia de assinatura, a ministra Esther Dweck destacou a união de esforços entre o governo federal e o município para a revitalização da área portuária e do bairro de São Cristóvão. Ela enfatizou a grande vontade política para avançar nesse projeto, que também incluirá recursos federais para a construção das unidades habitacionais.

Avanços e expectativas futuras

Com a publicação das licitações para a recuperação da estação e a construção da Fábrica do Samba no Diário Oficial, o prefeito reiterou a importância deste projeto para o futuro urbano e social da região.

“É uma exigência do governo federal que a gente tenha habitação aqui, o que é muito bom para a revitalização da região e a gente também quer um centro de convenções. O que temos mais avançado são as duas licitações. Mas estamos avançando nos estudos para ter uma proposta mais concreta para ter bastante unidade habitacional. O VLT vai chegar aqui. A ideia é fazer daqui quase que um novo bairro, fazendo esse processo de revitalização da Região Portuária do Rio chegar a São Cristóvão”, afirmou.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado