Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Falência do Banco Nacional: o que realmente aconteceu?

A ascensão e a falência do Banco Nacional

(Foto: Reprodução/Facebook)

Em maio de 1944, José de Magalhães Pinto e seu irmão Valdomiro de Magalhães Pinto fundaram o Banco Nacional de Minas Gerais. Entre os primeiros investidores estavam Virgílio de Melo Franco e Francisco Moreira da Costa. A instituição rapidamente se destacou no mercado financeiro, chamando-se apenas de Banco Nacional até sua falência.

Primeiras Aquisições e Crescimento

O Banco Nacional cresceu muito ao longo das décadas. Em 1958, incorporou o Banco Sotto Maior. Em 1970, adquiriu e incorporou o Banco da Grande São Paulo, famoso pelos cofrinhos. Com quase 400 agências e mais de 40 mil funcionários, era um dos maiores do país, com 1,2 milhão de clientes e destacou no marketing esportivo, patrocinando Ayrton Senna.

Problemas e Deterioração

Em 1988, foi identificada a situação precária do Banco Nacional. Uma nova equipe foi contratada para tentar reverter a situação. Segundo a Comissão de Inquérito do Banco Central, adotou-se uma “contabilidade fictícia” na tentativa de maquiar os problemas financeiros.

conteúdo patrocinado

Intervenção do Banco Central

Em 18 de novembro de 1995, o Banco Central instaurou o Regime de Administração Especial Temporária (RAET) no Banco Nacional. Os antigos dirigentes perderam seus mandatos, e um Conselho Diretor assumiu a gestão com amplos poderes. Descobriram-se 652 contas fictícias, com um saldo cinco vezes maior que o patrimônio líquido do banco.

Leia Também:

Venda e Liquidação

Com o apoio do Proer, o banco se dividiu em duas partes. Por um lado, o Unibanco comprou o “good bank”; no entanto, o “bad bank” permaneceu no Banco Nacional. Além disso, em 13 de novembro de 1996, o RAET tornou-se o Regime de Liquidação Extrajudicial (RLE), promovendo, assim, a extinção da empresa insolvente. Dessa forma, o processo de divisão foi concluído com uma clara separação das responsabilidades e ativos. Consequentemente, isso facilitou a resolução da situação financeira da instituição. Consequentemente, a intervenção do Proer demonstrou-se essencial para estabilizar o setor bancário naquele período.

Repercussão Judicial

Em 1997, o Ministério Público Federal acusou trinta e três pessoas de fraude, incluindo Marcos Magalhães Pinto, controlador do banco. Em 2002, ele recebeu uma condenação de 28 anos de prisão, que foi reduzida para doze anos em 2010. A condenação foi extinta em 2011, mas, posteriormente, o Superior Tribunal de Justiça a reinstaurou a falência do Banco Nacional.

Negociações com o BTG

Em setembro de 2014, surgiram notícias sobre possíveis negociações entre o “bad bank” do Banco Nacional e o banco BTG, relacionadas a créditos tributários antigos e do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS). As negociações não foram bem-sucedidas.

Legado e Lições

A história da falência do Banco Nacional é um marco importante no setor bancário brasileiro. A sua intervenção pelo Banco Central destaca os riscos de má gestão e a importância de uma supervisão financeira eficaz.

Para saber mais, assista o vídeo:

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado