Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

G20 evita condenar Rússia por Guerra da Ucrânia, mas apela por paz

(Foto: Divulgação/Agência Brasil)

O Grupo dos 20 (G20) evitou condenar a Rússia pela guerra na Ucrânia em uma declaração consensual na cúpula realizada neste sábado(09), mas pediu a todos os Estados que não usem a força para tomar territórios.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, anunciou que a Declaração dos Líderes havia sido adotada no primeiro dia da cúpula do G20 no fim de semana em Nova Délhi.

“Com base no trabalho árduo de todas as equipes, chegamos a um consenso sobre a Declaração da Cúpula dos Líderes do G20. Anuncio a adoção dessa declaração”, disse Modi aos líderes, incluindo o presidente dos EUA, Joe Biden, e chefes de governo e de Estado de todo o mundo. O consenso foi uma surpresa, já que o G20 está profundamente dividido em relação à guerra na Ucrânia, com os países ocidentais anteriormente pressionando por uma forte condenação da Rússia na Declaração dos Líderes, enquanto outros exigiram um foco em questões econômicas mais amplas.

Publicidade

“Apelamos a todos os Estados para que defendam os princípios do direito internacional, incluindo a integridade territorial e a soberania, o direito humanitário internacional e o sistema multilateral que salvaguarda a paz e a estabilidade”, diz a declaração.

“O uso ou a ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível”, acrescentou a declaração.

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia disse que a declaração não era “motivo de orgulho”, acrescentando que a presença ucraniana teria proporcionado aos participantes uma melhor compreensão da situação. No entanto, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que a declaração demonstrou uma posição clara sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, dizendo que a integridade territorial dos países não pode ser questionada com violência.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, disse que a declaração tinha “uma linguagem muito forte sobre a guerra ilegal da Rússia na Ucrânia”.

Não houve reação imediata da Rússia, que está sendo representada pelo Ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov. Ele havia dito que bloquearia a declaração final, a menos que ela refletisse a posição de Moscou sobre a Ucrânia e outras crises.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado