Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Economistas alertam que combustível ficará mais caro com PL

Combustíveis
(Imagem: Freepik)

O projeto de lei (PL) que institui o programa “Combustível do Futuro”, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nessa semana, tem sido objeto de contestação por parte de especialistas e economistas. Entre os principais pontos de preocupação está a alteração nos limites de mistura de etanol anidro à gasolina, uma medida que, embora promova a sustentabilidade, pode ter repercussões inesperadas nos preços dos combustíveis.

De acordo com economistas ouvidos pela CNN, a proposta busca, em parte, reduzir os custos dos combustíveis, uma vez que o etanol é geralmente mais acessível que a gasolina. A lógica seria que quanto mais etanol for adicionado à mistura, mais econômico o combustível se tornaria. Entretanto, caso a implementação não seja cuidadosamente planejada, o efeito poderia ser justamente o oposto.

Rodrigo Glatt, sócio da GTI Administração de Recursos, considera que essa demanda disfarçada de controle de preços pode desequilibrar o mercado ao criar uma oferta e demanda distorcida de combustíveis, interferindo na livre concorrência.

conteúdo patrocinado

O comentarista de energia da CNN, Adriano Pires, reconhece que o projeto é interessante, pois visa aumentar a proporção de combustível renovável nos combustíveis fósseis, como diesel, gasolina e querosene. No entanto, ele destaca a vulnerabilidade desses biocombustíveis, que dependem de safras agrícolas. Por exemplo, se a colheita de cana-de-açúcar não for suficiente para produzir etanol em quantidade necessária, o preço do produto pode aumentar, impactando diretamente o custo na bomba.

A mesma lógica se aplica ao biodiesel, que é majoritariamente derivado da soja. Se houver problemas na safra do grão, o equilíbrio de preços também pode ser afetado.

Pires argumenta que, ao combinar combustíveis agrícolas e fósseis, é necessário estabelecer limites tanto mínimos quanto máximos. Isso possibilita uma maior estabilidade nos preços finais, mesmo quando as condições de produção variam.

Outro fator a ser considerado é o preço global do petróleo, que pode ter um impacto direto na implementação bem-sucedida do projeto. O alinhamento com os preços internacionais é crucial para evitar desequilíbrios na transição energética.

 

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado