Verão 2023-2024 promete recorde no turismo brasileiro, diz CNC

Foto: Drazen Zigic/Freepik

O verão de 2023-2024 está se configurando como um período sem precedentes para o turismo no Brasil, especialmente para o setor de bares e restaurantes, que espera movimentar cerca de R$ 68,74 bilhões. Esse valor é impressionante, pois corresponde a aproximadamente 44% do faturamento total projetado para o turismo no país, que é de R$ 155,87 bilhões, segundo dados divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Além disso, a CNC destaca que outros segmentos do turismo, como transporte rodoviário e aéreo, alojamento e cultura, também terão um papel significativo na economia. Estes segmentos, juntos com outros, devem somar bilhões em movimentação financeira, contribuindo para que este verão seja o mais lucrativo desde o início da série histórica da CNC.

Taiene Righetto, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), ressalta o crescimento significativo do setor, apesar de enfrentar desafios, como a escassez de mão de obra qualificada. “No geral, o setor de bares e restaurantes tem crescido, evoluído em relação à pandemia, embora com vários obstáculos e dificuldades. Esse crescimento não tem acompanhado a evolução da mão de obra. A gente tem tido uma restrição muito grande de mão de obra. Tenho percebido isso em vários setores, mas, em relação ao de bares e restaurantes, tem sido muito forte. Temos mais de 5 mil vagas em aberto e todo o Estado não consegue preencher de forma alguma. Isso deve realmente nos inviabilizar um crescimento ainda maior”, detalha.

Com mais de 5 mil vagas não preenchidas em todo o estado, Righetto destaca a importância deste verão para o setor, que ainda lida com altas dívidas e uma carga tributária pesada. “Este período é a esperança também dos bares e restaurantes de fazer um pouco de caixa para os impostos diversos, conhecidos de final de ano e de começo de ano, 13º salário e outros, o que é bastante pesado para esse setor. Mais de 60% dos associados têm dívidas pesadas em impostos e a gente tem percebido uma sinalização muito grande do Governo Federal de aumento de impostos, de novos impostos, o que nos deixa pessimistas“, realça.

Por outro lado, Régis Medeiros, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (Abih-CE), expressa otimismo, apontando que Fortaleza está se destacando como um dos principais destinos turísticos. “A nossa expectativa para o Réveillon, que é entre o dia 29 até o dia 1º do mês de janeiro, é que a gente alcance a ocupação de 96%, o que é um número muito positivo para esse período. No Réveillon de 2022 para 2023, nós tivemos 94%”, explica.

O objetivo, segundo Medeiros, é de retornar a média de 80% de ocupação em janeiro, o que não acontece desde o fim da pandemia. Porém, ele cita alguns impeditivos. “A única interrogação que sempre nos preocupa, não somente a nós ao Ceará, mas a todo o turismo do Brasil, é a questão do transporte aéreo. Precisamos ter mais assentos e ter tarifas mais competitivas, e, quem sabe, mais empresas oferecendo esse serviço no nosso país“, orienta.

 

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado