Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Dólar fecha em alta em dia de tensões

Cédulas de dólar- Trilionário — Foto: Pexels
Cédulas de dólar (Imagem: Pexels)

Nesta quarta-feira (24), o dólar encerrou o dia em alta, revertendo parte das perdas recentes e acompanhando o fortalecimento da moeda no mercado internacional, em um contexto de aumento das taxas dos Treasuries e realização de leilões de títulos nos Estados Unidos.

O Banco Central realizou um leilão de até 12 mil contratos de swap cambial tradicional, visando rolar o vencimento previsto para 1° de julho de 2024.

Cotação do Dólar

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
  • Dólar à vista: R$ 5,147 (compra) / R$ 5,148 (venda)
  • Contrato de dólar futuro de primeiro vencimento: 5.149 pontos (0,23% de alta às 17h45)
Movimentação do Mercado

Durante a maior parte do pregão, o dólar apresentou valorização em relação ao real, com investidores recompondo posições compradas no mercado futuro após recuos anteriores. No cenário internacional, a moeda norte-americana também registrou ganhos em relação a outras divisas.

Após as 11h, a alta do dólar se intensificou no Brasil, impulsionada pelo avanço dos rendimentos dos Treasuries. A expectativa em torno do leilão de títulos de cinco anos do Tesouro dos EUA levou os yields a atingirem suas máximas pouco depois das 11h (horário de Brasília).

No mercado à vista brasileiro, o dólar variou de R$ 5,1247 (mínima) às 9h03 para R$ 5,1727 (máxima) às 11h37, refletindo a influência dos rendimentos antes do leilão de títulos.

A cotação máxima do dólar coincidiu com os picos das taxas dos Depósitos Interfinanceiros (DIs), também influenciadas pelos Treasuries.

Além das pressões externas, o mercado acompanhou atentamente as declarações de Gabriel Galípolo, diretor de Política Monetária do Banco Central, durante um evento em São Paulo. Ele reforçou o compromisso com a meta de inflação de 3%, destacando que a discussão sobre sua viabilidade não é realizada no Comitê de Política Monetária (Copom).

Gabriel Galípolo também observou que o regime de câmbio flutuante no Brasil tem sido eficaz na absorção das mudanças de precificação dos ativos, em meio à expectativa de uma menor redução nas taxas de juros pelo Federal Reserve em 2024. Segundo o diretor, o momento atual parece favorecer a valorização do dólar.

(Apoio: Reuters)

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado