Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Relógio do homem mais rico do Titanic é vendido por valor recorde

Relógio do homem mais rico do Titanic é vendido em leilão. (Foto: Reprodução/Henry Aldridge and Son Ltd)
Relógio do homem mais rico do Titanic é vendido em leilão. (Foto: Reprodução/Henry Aldridge and Son Ltd)

Um relógio de bolso que pertenceu a John Jacob Astor IV, conhecido por ser o passageiro mais rico do Titanic, foi vendido por um valor recorde de £900 mil, chegando a £1,175 milhão com taxas, em um leilão em Devizes, Inglaterra. A casa de leilões Henry Aldridge & Son foi a responsável por essa venda.

Detalhes do relógio e sua proveniência

O relógio, que carrega as iniciais “JJA” e é feito de ouro 14 quilates, foi recuperado junto ao corpo de Astor, encontrado no mar uma semana após o naufrágio em 1912. Este item de luxo, além de um anel de diamantes e botões de punho encontrados com ele, reflete o status elevado de Astor na época. O empresário tinha uma fortuna estimada em cerca de $87 milhões, sendo considerado um dos mais ricos do mundo na época.

Relógio do Titanic vendido: reação e impacto da venda

O leilão atraiu atenção global, com um comprador americano arrematando o relógio por um preço muito acima das expectativas, que variavam entre £100 mil e £150 mil. A venda estabeleceu um novo recorde mundial para itens do Titanic, superando o valor pago em 2013 por um violino tocado no navio, que foi vendido por £1,1 milhão.

conteúdo patrocinado

Contexto e significado da peça

A história de Astor e sua última noite no Titanic foram revividas através deste leilão. Astor, que ajudou sua esposa grávida a entrar em um bote salva-vidas, foi visto pela última vez fumando no navio antes de morrer na tragédia. O relógio não só simboliza sua riqueza,mas também a trágica história do Titanic, que continua a fascinar o mundo.

Exposição e conservação do relógio

Após ser restaurado por Vincent Astor, filho de John Jacob, o relógio foi mantido pela família até os anos 90 antes de ser vendido a um colecionador privado. A peça foi meticulosamente conservada, considerando seu tempo submerso nas águas frias do Atlântico.

É o que afirma Andrew Aldridge, gestor do leilão: “É um relógio requintado que está em excelentes condições, o que não é surpreendente, considerando quem era seu proprietário original. No entanto, passou sete dias nas águas geladas do Atlântico após o desastre e quase certamente teria parado de funcionar e sofrido todo tipo de danos. Era obviamente de grande valor sentimental para Vincent Astor, que o restaurou e usou durante os 23 anos seguintes”, afirmou.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado