Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Geldo Machado avalia impactos das decisões do Banco Central na Economia

Empresário Geldo Machado, presidente do grupo financeiro ValorizeCred.

Sobre os ajustes delicados na política monetária brasileira, conversamos com Geldo Machado, ex-banqueiro, presidente do grupo financeiro ValorizeCred e do Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring (SINFAC) para os estados do Ceará, Piauí, Maranhão e Rio Grande do Norte, para entender melhor as implicações das recentes decisões do Banco Central sobre a redução das taxas de juros e os desafios enfrentados pela economia do país.

Confira entrevista exclusiva:

ENB: Sr. Machado, qual é a sua visão sobre a recente decisão do Copom de reduzir o ritmo de queda dos juros de 10,75% para 10,5%?

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Geldo Machado: A decisão reflete não apenas uma abordagem técnica, mas também as pressões políticas que o Banco Central enfrenta. É uma medida que, embora esperada pelo mercado, mostra como a política e a economia estão interligadas. Neste contexto, a necessidade de equilibrar crescimento econômico com estabilidade fiscal se torna ainda mais crítica.

ENB: Com a economia global enfrentando desafios, como você vê a posição do Brasil em comparação com países que enfrentam crises mais severas?

Geldo Machado: Enquanto nações como México, Rússia, Colômbia e Turquia lidam com crises econômicas profundas, o Brasil precisa adotar estratégias que assegurem tanto o controle da inflação quanto o desenvolvimento sustentável. Isso significa tomar decisões mais conservadoras sobre juros, refletindo divisões internas e influências políticas dentro do Copom.

ENB: Qual deve ser o papel do Banco Central neste cenário, e como as pressões políticas afetam suas decisões?

Geldo Machado: O Banco Central deveria agir com base em critérios técnicos rigorosos. No entanto, não podemos ignorar que as decisões são frequentemente influenciadas por interesses políticos, principalmente em períodos próximos a eleições. Isso pode levar a manipulações econômicas que visam benefícios de curto prazo, mas que são arriscadas para a saúde econômica do país a longo prazo.

ENB: Diante de desafios externos como tragédias climáticas, como o governo deve lidar com o equilíbrio fiscal?

Geldo Machado: As tragédias no sul do país exigem gastos extraordinários, o que aumenta nosso risco fiscal. É essencial que haja uma gestão cuidadosa para não sobrecarregar ainda mais uma economia já desafiada. Esses gastos são cruciais, mas devem ser balanceados com a necessidade de manter a estabilidade fiscal.

ENB: Como as recentes decisões de política monetária afetam o setor produtivo no Brasil?
Geldo Machado: O setor produtivo já sofre com uma das taxas de juros reais mais altas do mundo e condições de crédito caras. Cada decisão de política monetária tem um impacto direto. É vital que as reduções de juros sejam cuidadosamente consideradas para evitar soluções oportunistas que atendem apenas a interesses políticos momentâneos.

“As decisões do Banco Central refletem a complexidade da situação econômica atual, onde é crucial balancear necessidades econômicas com realidades políticas. Como empresário, vejo a importância de políticas econômicas bem fundamentadas, que priorizem o bem-estar a longo prazo do povo brasileiro, livre de manipulações políticas”, também destacou Geldo Machado.

Leia Também:

ANFAC debateu novas tendências no mercado de recebíveis em Fortaleza

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado