Queda nas vendas de fundos climáticos impacta mercado

Queda nas vendas de fundos climáticos impacta mercado
(Foto: Matt Palmer/Unsplash)

Nos últimos dois anos, os fundos focados no clima viram uma queda drástica nas vendas, marcando um desafio para o mercado. Em 2023, esses fundos atraíram apenas $37,8 bilhões de novos investimentos, uma redução acentuada em comparação com os $151 bilhões de 2021, conforme dados da Morningstar. Esse foi o pior ano em termos de novos investimentos desde 2019, período em que o interesse por investimentos verdes ganhou força. As informações são do Financial Times.

Esse recuo ocorre em um contexto de retiradas na categoria mais ampla de fundos ESG (ambientais, sociais e governança), que registrou o primeiro trimestre de fluxos negativos no final de 2023, com saídas globais de $2,5 bilhões. Muitos fundos convencionais também enfrentaram resgates à medida que as taxas de juros aumentaram.

A crise climática piora, após 2023 ser o ano mais quente. Extremos como secas e inundações aumentam. O relatório da Climate Policy Initiative alerta: é vital quintuplicar o financiamento climático, passando de $1,3 trilhão, para mitigar as mudanças climáticas.

Fatores externos prejudicam investimento privado em fundos climáticos

Os desafios incluem as consequências da inflação e altas taxas de juros pós-pandemia e a guerra na Ucrânia, que afetaram o retorno de alguns fundos climáticos. No entanto, a situação não é totalmente negativa. Hortense Bioy, diretora global de pesquisa de sustentabilidade da Morningstar, observou que os fundos verdes estão resistindo melhor do que o mercado mais amplo, com os ativos sob gestão nesses fundos aumentando 14% no último ano, alcançando quase $522 bilhões.

Contudo, as altas taxas de juros levaram os investidores a retirar dinheiro de fundos de longo prazo, favorecendo produtos de mercado monetário e caixa com maior rendimento. Os aportes em fundos de mercado monetário nos EUA atingiram um recorde de quase $1,19 trilhão nos primeiros 11 meses do ano passado.

Líderes globais, como o presidente francês Emmanuel Macron, enfatizam a necessidade de o setor privado investir em iniciativas climáticas. Especialmente diante dos danos às finanças públicas causados pela pandemia. Eamon Ryan, ministro do meio ambiente irlandês e co-presidente da Agência Internacional de Energia, expressou preocupação com a redução de novos investimentos. Entretanto, ele ressaltou que esses fundos são apenas uma parte de um quadro muito maior. Ele destacou o aumento de 39% na capacidade de energia renovável e o crescimento nas vendas de bombas de calor e veículos elétricos.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado