Pesquisar
Close this search box.

Taxa de desemprego no Brasil atinge 7,6%

carteira trabalho
(Foto: Tony Winston/Agência Brasília)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (29) que a taxa de desemprego no Brasil nos três meses até janeiro ficou em 7,6%. Portanto, isso representa uma queda em relação à expectativa do mercado, que projetava uma taxa de 7,8% para o período.

Com esse resultado, o desemprego atingiu o menor patamar desde 2015, quando foi registrado em 7,5%. Na comparação com o mesmo período de 2023, a taxa de desocupação recuou 0,7 ponto percentual, totalizando 8,3 milhões de desempregados no país.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) coletou esses dados. O IBGE explica que a sazonalidade do mercado de trabalho pode explicar a estabilidade da taxa de desocupação trimestralmente, com a desocupação se reduzindo no final do ano e aumentando nos primeiros meses seguintes.

A coordenadora de Pesquisas Domiciliares do IBGE, Adriana Beringuy, ressalta que essa estabilidade se deve a uma expansão não tão importante da população desocupada no trimestre encerrado em janeiro de 2024.

Quanto à ocupação, a população ocupada no país chegou a 100,6 milhões de trabalhadores. Um aumento de 0,4% em relação ao último trimestre comparável e de 2,0% no ano.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores alcançou R$ 3.078 no trimestre móvel encerrado em janeiro de 2024, apresentando uma alta de 1,6% em relação ao trimestre anterior e de 3,8% no ano, considerando os efeitos da inflação. Entretanto, o aumento impulsionou especialmente o setor público formal e segmentos mais informais no setor privado.

Segmentos em destaque

Então, os segmentos que mais se destacaram na comparação trimestral foram transporte, armazenagem e correio; informação; comunicação e atividades financeiras; imobiliárias; profissionais e administrativas e outros serviços.

O número de empregados com carteira de trabalho no setor privado aumentou para 38,0 milhões. Assim, um acréscimo de 0,9% no trimestre e de 3,1% no ano. Enquanto isso, o número de empregados sem carteira no setor privado permaneceu estável no trimestre e cresceu 2,6% no ano.

É importante destacar que observamos estabilidade também para trabalhadores por conta própria, trabalhadores domésticos e empregadores. Por fim, os dados refletem uma dinâmica positiva no mercado de trabalho brasileiro, com sinais de crescimento e estabilidade em diversos setores da economia.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado