Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Rússia impede acesso a 81 portais de notícias europeus

Medida é retaliação a sanções da União Europeia

Rússia impede acesso a 81 portais de notícias europeus
(Foto: Reprodução/Pexels).

A Rússia implementou o bloqueio de 81 sites de notícias europeus como forma de retaliação às recentes sanções impostas pela União Europeia a veículos de mídia estatais russos. Este é um claro exemplo de como as tensões geopolíticas influenciam diretamente o acesso à informação.

Além disso, o anúncio foi feito pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia, que publicou uma lista detalhada dos veículos afetados. Entre eles estão grandes nomes da imprensa internacional, como o Politico da Bélgica, Der Spiegel da Alemanha, El País da Espanha, The Irish Times da Irlanda, La Repubblica da Itália e Le Monde da França. Portanto, estes sites agora encontram-se inacessíveis para os usuários que tentam entrar neles a partir do território russo.

Reação europeia

Por sua vez, a medida é uma resposta direta à decisão do Conselho Europeu, que no mês anterior havia suspendido as operações de radiodifusão de quatro grandes veículos de mídia na Rússia, incluindo a agência de notícias estatal RIA Novosti e os jornais Izvestia e Rossiyskaya Gazeta. Consequentemente, a União Europeia justificou a suspensão alegando que estes meios de comunicação estavam disseminando propaganda que apoiava a guerra de agressão russa contra a Ucrânia.

Publicidade

Em resposta, a Rússia acusou as ações do bloco europeu de serem “politizadas” e afirmou ter sido forçada a implementar “contramedidas proporcionais e espelhadas” contra os veículos de imprensa dos Estados-membros da UE. Segundo a Rússia, esses países estariam disseminando sistematicamente informações distorcidas sobre os desenvolvimentos da operação militar na Ucrânia.

Adicionalmente, o Ministério das Relações Exteriores russo indicou que a França foi o país mais afetado pela decisão, com nove meios de comunicação proibidos. Esses incluem a influente agência AFP e os jornais Le Monde e Libération. A lista também contém representantes de mídia de quase todos os Estados-membros da UE, exceto Croácia e Luxemburgo. Além disso, abrange quatro veículos pan-europeus, incluindo o Politico Europe, que tem origens nos Estados Unidos.

Revisão das restrições

A Rússia afirma que revisará as restrições impostas caso a União Europeia levante as limitações aos seus meios de comunicação. Este é um ponto central para entender a dinâmica das relações internacionais e o impacto das sanções no cenário global de mídia e informação.

Além disso, o caso demonstra como se utilizam as ferramentas de controle de informação como armas em disputas políticas e econômicas internacionais.

 

Consequentemente, as implicações desta ação vão além da simples censura. Elas impactam a percepção pública e o acesso à informação verídica, essenciais para a manutenção da democracia e do estado de direito.

Finalmente, a situação atual levanta questões sobre a liberdade de imprensa e o direito à informação. Estes temas estão no coração das discussões sobre direitos humanos e governança global. Por outro lado, a medida da Rússia reflete não apenas uma resposta a uma ação específica da UE. Ela também mostra como os estados podem usar seu poder para controlar o fluxo de informação em resposta a desafios políticos e estratégicos.

Este incidente entre Rússia e União Europeia destaca a complexidade das relações internacionais na era moderna. A informação e a mídia desempenham papéis cada vez mais centrais como campos de batalha diplomática e política.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado