Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Microsoft é a maior pagadora de dividendos do mundo

microsoft IA na Alemanha
(Foto: Divulgação/Microsoft).

A Microsoft conquistou o título de maior pagadora de dividendos do mundo em 2023, distribuindo US$ 20,74 bilhões aos acionistas. Este feito marcou o retorno da gigante da tecnologia ao topo da lista global. A Apple e a Exxon Mobil seguiram nas posições seguintes, com pagamentos de US$ 14,90 bilhões e US$ 14,79 bilhões, respectivamente.

No contexto brasileiro, a Petrobras e a Vale experimentaram uma queda expressiva, saindo da lista das 20 maiores pagadoras de dividendos globais. Esta mudança resultou na maior redução de proventos entre os mercados chave, de acordo com a 41ª edição do Índice Global de Dividendos da gestora Janus Henderson. A gestora britânica, que controla aproximadamente US$ 335 bilhões em ativos, revelou que a Petrobras cortou US$ 10 bilhões em dividendos em 2023, enquanto a Vale reduziu seus pagamentos em US$ 1,2 bilhão.

Apesar dessas reduções, o relatório destacou o crescimento nos pagamentos de dividendos por parte de bancos brasileiros, com o Banco do Brasil e o Bradesco fazendo pagamentos relevantes aos acionistas. Outras empresas nacionais como B3, Weg, e Eletrobras também marcaram presença no índice, contribuindo para o panorama de dividendos no país.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Globalmente, os dividendos atingiram um recorde de US$ 1,66 trilhão em 2023, com um aumento nominal de 5,6%. O setor bancário foi um dos principais contribuintes para esse crescimento, enquanto a mineração viu a maior queda. Ainda assim, a maior parte das empresas manteve ou aumentou seus dividendos.

Entre as maiores pagadoras de dividendos, além de Microsoft, Apple e Exxon Mobil, figuram empresas de diversos setores e regiões, incluindo a China Construction Bank, PetroChina, e Johnson & Johnson. Estas companhias somaram um total de US$ 136,1 bilhões em dividendos pagos.

No que tange aos mercados emergentes e à América Latina, o México se destacou com um recorde de US$ 9 bilhões em dividendos, impulsionado principalmente pela Walmex. No entanto, a redução de proventos da mineradora Grupo México impactou negativamente o total. Na Colômbia, a Ecopetrol foi um destaque positivo, pagando US$ 4,1 bilhões em dividendos.

A expectativa para 2024 é otimista, com a Janus Henderson projetando dividendos globais de US$ 1,72 trilhão, um aumento de 3,9% nominalmente. Ben Lofthouse, diretor de renda variável global da Janus Henderson, expressa uma visão positiva para o ano seguinte, apontando para um crescimento econômico mais lento, mas ainda assim promissor, especialmente em setores defensivos como saúde, alimentos e bens de consumo básicos.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado