Pesquisar
Close this search box.

Cotação do trigo atinge menor valor em quase 4 anos

cotação do trigo
(Foto: Despierres Cécile/Pexels).

Em um cenário de mercado influenciado pela ampla disponibilidade de trigo fornecida por Rússia e Ucrânia, a bolsa de Chicago observou uma queda na cotação do trigo. Nesta quarta-feira (6), os contratos do trigo para maio registraram uma diminuição de 3,63%, chegando a US$ 5,31 o bushel. Este valor é o mais baixo desde 24 de agosto de 2020, conforme apontam dados do Valor Data.

A posição de destaque de Rússia e Ucrânia no mercado internacional mantém-se forte mesmo com os desafios impostos pela guerra. A resultante é uma menor procura pelo trigo americano, visto que o trigo russo, com sua ampla produção e estoques recordes, oferece o menor preço globalmente, a US$ 200 por tonelada, em comparação aos US$ 240 pedidos pelo produto dos Estados Unidos.

Este quadro é agravado pela expectativa de boas condições para o plantio da safra de 2024/25 nos Estados Unidos. Alef Dias, analista da Hedgepoint Global Markets, em seu relatório, comentou sobre a possibilidade de alterações no mercado e na safra, dependendo das condições climáticas futuras.

Ademais, especulações indicam que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) poderá ajustar suas projeções para as exportações de trigo americanas e aumentar as estimativas para os embarques de Rússia e Ucrânia, conforme mencionado pela T&F Consultoria Agroeconômica.

Paralelamente, no segmento da soja, a estabilidade marcou os preços em Chicago, com os contratos para maio sofrendo uma leve queda de 0,07%, cotados a US$ 11,4825 o bushel. A colheita de soja no Brasil e a iminente colheita na Argentina, com uma expectativa de 50 milhões de toneladas, contribuem para este cenário.

Por fim, o milho apresentou um leve aumento de 0,59%, atingindo US$ 4,2875 o bushel. Este comportamento dos preços reflete movimentações técnicas em um contexto de alta oferta nos Estados Unidos, mantendo os preços no nível mais baixo dos últimos três anos.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado