Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Brasil amplia relações comerciais com a China, veja impactos

relações comerciais
(Foto: Pexels/Pixabay)

As relações comerciais entre o Brasil e a China continua a mostrar sinais de robustez e crescimento mútuo. De acordo com recentes dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), as importações brasileiras do gigante asiático aumentaram 12,7% no primeiro trimestre de 2024, alcançando $14 bilhões. Além disso, as exportações do Brasil para a China também apresentaram um aumento, totalizando $23 bilhões, o que representa um crescimento de 9,8%.

Balança comercial favorável ao Brasil

Segundo Rodrigo Giraldelli, especialista em comércio exterior entre Brasil e China e CEO da China Gate, “o comércio bilateral está se fortalecendo, com o Brasil mantendo sua posição como um importante fornecedor para o mercado chinês. Continuamos vendendo mais para o país asiático do que comprando dele”. Esses números mostram um aumento nas transações comerciais e também um equilíbrio favorável para o Brasil, com um superávit de 5,5% em relação à China.

Destaques nas importações

O setor automobilístico foi o grande destaque, com um aumento de 107% nas importações, totalizando USD 573 milhões. Este crescimento é impulsionado pela demanda crescente por veículos elétricos no Brasil. Outras áreas também mostraram um aumento nas importações, como máquinas e equipamentos (29%), produtos para a indústria química (93%), artigos plásticos (26%), produtos de ferro/aço (33%) e artigos de vidro (66%).

conteúdo patrocinado

Redução em outros setores

Por outro lado, houve uma queda nas importações em setores como cerâmica (-41%), brinquedos (-22%), produtos farmacêuticos (-44%), produtos químicos orgânicos (-27%) e combustíveis minerais (-66%). Essas reduções refletem o crescimento da capacidade produtiva industrial do Brasil, que está se tornando cada vez mais autossuficiente em várias categorias de produtos.

Laços fortalecidos

As relações comerciais entre Brasil e China se mostram cada vez mais estratégicas para ambos os países, não apenas em termos de volume, mas também na diversificação dos produtos envolvidos. Esse cenário não apenas fortalece os laços econômicos entre as duas nações, mas também prepara o caminho para futuras colaborações em áreas de alta tecnologia e sustentabilidade.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado